• Jeremy Flores vence o Billabong Pro Tahiti 2015

Jeremy Flores (de azul) comemora vitória sobre Gabriel Medina (de vermelho) no pódio do Billabong Pro Tahiti 2015. Foto: WSL / Cestari.


Highlights da finais do Billabong Pro Tahiti 2015:

O francês Jeremy Flores é o campeão do Billabong Pro Tahiti 2015. Para ficar com o título, ele derrubou na final ninguém menos que o atual campeão mundial e defensor do título da etapa Gabriel Medina (BRA). A prova foi válida como sétima etapa do Circuito Mundial de Surfe, o Samsung Galaxy World Surf League (WSL) Championship Tour (CT).

Depois de protagonizar performances incríveis ao decorrer do evento, Jeremy Flores conquistou sua segunda vitória da carreira em uma etapa do CT, para subir cinco posições no ranking e alcançar o sétimo lugar. Antes de vencer Gabriel Medina, ele derrubou outros grandes nomes no último dia do evento, como o campeão mundial CJ Hobgood (EUA), o 11 vezes campeão mundial Kelly Slater (EUA) e seu parceiro de equipe Wiggolly Dantas (BRA).

"Gabriel Medina é um cara muito tático, então achei que deveria jogar o seu jogo", revelou Jeremy Flores. "Ele é muito agressivo na água, então pensei em ser ainda mais agressivo. Temos que tirar o chapéu pra ele, pois surfou de forma incrível durante todo evento e definitivamente esta foi uma das minhas baterias mais difíceis".

Jeremy Flores compete de capacete para proteger sua lesão na cabeça. Foto: WSL / Robertson.

Depois de uma semifinal na etapa de Fiji, Flores marca o fim de resultados decepcionantes no CT com seu melhor resultado do ano e o primeiro evento que vence desde o Billabong Pipe Masters em 2010. O resultado foi ainda mais notável, porque ele acaba de voltar de uma grave lesão na cabeça, sofrida durante um sério acidente em uma sessão de free surf, que fez com que ele perdesse a etapa de J-Bay e competisse nesta de capacete por recomendação médica.

"Aquele 9.87 na final foi a onda em que as coisas começaram a dar certo pra mim", explicou Jeremy Flores. "Eu estava sentado lá fora e já começando a ficar nervoso esparando pelas ondas, então me lembrei que mesmo que perdesse a bateria, eu já era o cara mais sortudo do mundo por estar competindo aqui. Apenas tentei me manter calmo".

"Nos últimos anos não tenho conseguido os resultados que queria e mais importante ainda, eu não vinha me divertindo", confessou Jeremy Flores. "O surfe é o esporte mais bonito do mundo e se você não se diverte surfando, algo está errado. Tive que realmente repensar e resetar minha mentalidade. Consegui fazer isto por estar perto da minha família e das pessoas que amo. Por causa deles voltei para me divertir e estar faminto como eu costumava ser. Este ano estive lá fora sempre para ganhar, mas quando isto não acontecer, tudo bem".

Gabriel Medina fica com o vice-campeonato do Billabong Pro Tahiti 2015. Foto: WSL / Cestari.

Flores saiu disparado na final logo em sua primeira onda, com uma nota quase perfeita (9.87), para colocar pressão em Gabriel Medina. Metade da bateria se passou e o brasileiro tinha apenas um 0.73, com o francês controlando as ações no lineup e logo encontrando mais uma pontuação sólida (7.00). Medina respondeu rápido com um tubo que valeu 7.17, mas continuou à procura de um 9.17 para tentar virar a bateria. Ele continuou caçando as ondas como pôde, mas o tempo passou e o melhor que ele conseguiu foi um 6.03, para passar seu título de campeão de 2014 para Jeremy Flores.

"Eu acho que cometi um erro logo no início da bateria, de deixar o Jeremy Flores pegar a prioridade", disse Gabriel Medina. "O oceano estava muito lento e não consegui encontrar a nota que precisava. Estou feliz com a segunda colocação e também estou feliz pelo Jeremy, principalmente depois do acidente dele. Estou amarradão por estar de volta ao pódio. Foi uma bateria difícil e eu gostaria que tivesse rolado mais ondas, mas estou feliz com o resultado".

Owen Wright assume terceira colocação no ranking. Foto: WSL / Cestari.

O vice-campeonato em Teahupoo leva Medina da décima quinta para a décima colocação no ranking e esta foi a primeira final que ele fez desde o Billabong Pipe Masters 2014. Para chegar à final, neste último dia de evento ele venceu os australianos Owen Wright e Kai Otton.

As semifinais de hoje também marcaram mais um bom resultado para o terceiro colocado do ranking, Owen Wright, que precisava pelo menos da segunda colocação para assumir a liderança, mas foi derrubado por Medina na semifinal. O brasileiro garantiu notas altas logo na primeira metade da bateria, para deixar o australiano na desconfortável situação de combinação.

"Eu realmente nem estava pensando sobre a liderança do ranking, estava apenas me divertindo em mais uma bateria nas ondas de Teahupoo, especialmente com meu bom amigo Gabriel Medina", disse Owen Wright. "Fiquei muito decepcionado por não ter passado, pois teve duas ondas que poderiam ter me dado a pontuação que eu precisava, mas eu caí. Tudo bem, acontece. Estou mais do que feliz com este resultado e agora vamos entrar em uma perna divertida do Tour".

CJ Hobgood conquista única nota 10 do Billabong Pro Tahiti. Foto: WSL / Cestari.

Ex-campeão deste evento e campeão mundial de 2001, CJ Hobgood teve seu melhor resultado desde 2014 na Gold Coast e terminou na terceira colocação depois de ser derrotado por Jeremy Flores na segunda semifinal. CJ foi o autor da única nota 10 do evento.

Todos os anos, o Andy Irons Most Committed Award é oferecido ao atleta mais comprometido do Billabong Pro Tahiti e já foi vencido por Owen Wright (2014), John John Florence (2013), Ricardo dos Santos (2012) e Jeremy Flores (2011). Este ano CJ Hobgood foi o escolhido, pela sua coragem e compromisso com as ondas de Teahupoo.

"Tem sido tudo incrível", comemorou CJ Hobgood. "Ter a oportunidade de estar aqui, competir e fazer parte do último dia de competições é muito radical. Estou tão amarradão quanto estaria se tivesse vencido o evento. Foi realmente muito divertido, agradável e desafiador estar aqui ao longo dos últimos anos e fazer parte da curva de aprendizagem em Teahupoo nas duas últimas décadas. Este prêmio significa muito pra mim. A última vez que eu havia feito uma final aqui foi contra o Andy Irons, quando ele venceu e ficou completamente emocionado. Aquele momento que compartilhei com ele estará gravado comigo para o resto da vida".

CJ Hobgood é premiado pelo seu comprometimento com o Andy Irons Most Committed Award. Foto: WSL / Cestari.

O 11 vezes campeão mundial foi derrotado nas quartas de final por Jeremy Flores. Slater tinha vantagem, mas Flores conseguiu um 8.23 nos minutos finais para vencer. Com este resultado Slater permanece na sexta colocação do ranking.

"Tivemos dois planos de jogos diferentes na bateria", disse Slater. "Parecia que ele estava sendo paciente e eu estava me mantendo ativo. Jeremy teve algumas das maiores pontuações do evento e aqui definitivamente ele é um dos caras a serem batidos, então eu já sabia que seria uma bateria difícil".

Jeremy Flores celebra sua primeira vitória no Tour desde 2010. Foto: WSL / Cestari.

Ítalo Ferreira (BRA), o estreante melhor qualificado no ranking derrotou seu compatriota Filipe Toledo no quinto round, mas caiu na fase seguinte diante de Owen Wright. Ferreira, que já havia feito quartas de final em Fiji, assumiu a oitava colocação no ranking.

"Eu fiz o meu melhor, mas o Owen Wirght é um surfista incrível", disse Ítalo Ferreira. "Estou amarradão, pois esta é minha primeira vez aqui e foi um grande resultado para mim. Quero continuar indo bem nos próximos eventos".

Final do Billabong Pro Tahiti 2015

1: Jeremy Flores (FRA) - 16.87
2: Gabriel Medina (BRA) - 13.20

Semifinais

1: Gabriel Medina (BRA) 16.63 def. Owen Wright (AUS) 8.70
2: Jeremy Flores (FRA) 15.86 def. C.J. Hobgood (USA) 8.93

Quartas de final

1: Owen Wright (AUS) 16.93 def. Italo Ferreira (BRA) 15.94
2: Gabriel Medina (BRA) 15.64 def. Kai Otton (AUS) 11.00
3: C.J. Hobgood (USA) 12.90 def. Josh Kerr (AUS) 11.16
4: Jeremy Flores (FRA) 16.83 def. Kelly Slater (USA) 15.66

Quinta fase

1: Italo Ferreira (BRA) 15.00 def. Filipe Toledo (BRA) 00.00
2: Kai Otton (AUS) 13.50 def. Bruno Santos (BRA) 11.76
3: C.J. Hobgood (USA) 14.36 def. Aritz Aranburu (ESP) 14.00
4: Jeremy Flores (FRA) 13.37 def. Wiggolly Dantas (BRA) 13.21

Ranking WSL 2015

1: Adriano de Souza (BRA) 34.950 pontos
2: Mick Fanning (AUS) 34.700 pontos
3: Owen Wright (AUS) 34.400 pontos
4: Julian Wilson (AUS) 33.200 pontos
4: Filipe Toledo (FRA) 33.200 pontos